Os participantes do Internacional  Stroke Conference 2015 foram apresentados aos resultados positivos dos estudos ESCAPE, ESTENDER IA e SWIFT PRIME alanvacados no entusiasmo gerado pela MR CLEAN para trombectomia mecânica de oclusões proximais intracranianas causando isquemia cerebral aguda. Esse conjunto de evidência provavelmente marcará uma mudança dramática na percepção de trombectomia mecânica para oclusões proximais em circulação anterior em pacientes  bem selecionados com o conjunto de critérios clínicos, de neuroimagem e em locais com disponibilidade de assistência padrão para o AVCi (terapia intravenosa e terapia intra-arterial). Um dos principais pesquisadores do estudo ESCAPE fechou seu discurso com a alegação de que a intervenção no contexto estudado é o novo padrão de tratamento para pacientes com AVC agudo. Com certeza, esses ensaios servirão como uma base para a eficácia de terapias de reperfusão endovasculares em pacientes cuidadosamente selecionados, mas também como um modelo para a execução  e gestão de um centro abrangente que atenda pacientes nesse contexto.

Para ter certeza, só o fator temporal e a prática clínica irão comprovar esses dados animadores apresentados. Afora a eficácia demonstrada, os resultados dramáticos erão mudar o  tratamento do AVC agudo em uma direção adequada e agressiva. No entanto, não podemos esquecer do fato de que esses resultados brilhantes foram em um grupo altamente selecionado de pacientes, nem podemos negligenciar que a grande maioria desses doentes receberam alteplase “full-dose” antes da intervenção. A defesa que “a intervenção é melhor do que r-tPA” para AVC isquêmico agudo é um salto de fé, e ensaios de tratamento no “mundo real” ainda estão por vir. Esses dados não devem ser considerados definitivos para o amplo espectro fenotípico do acidente vascular cerebral isquêmico agudo, a exemplo do AVCi de circulação posterior, mas temos atualmente uma terapia de resgate com eficiência e eficácia comprovada para ofertar aos nossos pacientes.